Um escapar ao confinamento!

Os dias têm sido estranhos....Toda esta situação nova (nova que já tem algum tempo, nós é que teimamos em dizer que é nova...) tem alterado e de que maneira o nosso dia-a-dia e estado de espírito! De facto, desde aquele longo e penoso primeiro confinamento que nos apercebemos que a vida tardaria, ou dificilmente iria ficar igual. A somar aos problemas pessoais que todos temos, víamos agora um ser microscópico ganhar uma força e um ascendente na nossa vida que poucos acreditariam ser possível. Mas é...É e tem-no sido!


De braço dado com a situação económica, existe hoje uma falta de contacto, de um abraço, do toque, do beijo, da partilha mais chegada de emoções e sentimentos. Temos a sensação do afastamento, o vazio de não estar com quem queremos... Tivemos portanto uma fase de adaptação e vivemos neste momento a realidade de começar a conviver com esta realidade o melhor possível! Mas os dias teimam em não ser fáceis...Voltam as restrições e confinamentos que nos roubam horas de trabalho, lazer e proximidade de quem quer estar perto. Revoltante, irritante, triste....mas necessário! Por mais que nos custe, sabemos que se não conseguirmos travar os números muito brevemente o acesso ao SNS, à saúde e ao tratamento será uma autentica lotaria! Hoje vivemos o 2º fim de semana de confinamento e para mim o ficar em casa é algo incrívelmente devastador...Custa-me! Assim que hoje de manhãzinha, logo que o sol raiou, levantei-me e fui passear para onde me sinto bem, para o meu espaço sagrado, onde respiro, penso, caminho, onde sinto os elementos, bom...o meu habitat natural.



Algumas pessoas de Bragança que habitualmente caminham por aqui, ou as que vivem nesta aldeia vão facilmente identificar o local, vamos ver quantos conhecem! :) Ao terminar a estrada asfaltada chegamos ao rio, onde podemos iniciar uma caminhada em terreno de terra batida tendo sempre por companhia a linha de água! Após os primeiros passos a imersão na natureza é imediata! As aves cantam, os choupos oferecem sombra o que nesta altura do ano e logo de manhãzinha não é propriamente bom, uma vez que a temperatura ainda é baixa e o sol ajuda a aquecer! Mas a vista depressa nos aquece o coração!! Aproximo-me do rio! Hoje não vou com tripé, nem com filtros, mas a minha máquina acompanha-me sempre. O objetivo não era fotografar, mas é mais forte que eu...!!

Aqui, encontramos esta primeira barreira criada pelo homem que permite ter uma belíssima visão de queda de água. Como estava sem tripé e sem filtros é quase impossível fazer uma boa foto, mas o ter que ser tem muita força e nunca poderia passar ali sem efetuar um registo! Mais tarde voltarei com o equipamento certo! Continuo o caminho e logo a seguir tenho que parar outra vez....as folhas caídas das árvores fazem-me parar...fazem-me olhar e fotografar! O meu pensamento depressa dispara em viagens e sentimentos! A Natureza de forma incrível oferece-nos padrões e detalhes que dificilmente nos deixam indiferentes, por uma razão ou por outra!

Mas o tempo passa e ainda tenho uma caminhada longa para fazer entre o ir e regressar! E há tanto para ver na Natureza!! O frio da noite ainda se faz sentir e na sombra ainda permanece o gelo da geada! Oiço estalar, oiço o crepitar da relva e dos galhos que ao receberem os raios de sol descongelam e nos dão este som único ...A condensação é visível em colunas de um ténue fumo que se desfaz lentamente a caminho do céu...Sentimos a humidade que vem dos pés a dissipar lentamente...Sentimos o calor do sol a penetrar na face e a aquecer-nos!


Pelo caminho a melodia das aves é encantadora! Após uma noite fria todos querem mexer-se com uma energia contagiante! Cantam, dançam e alimentam-se freneticamente ao som silencioso do avançar da manhã... Ao longe, nos campos cultivados um espantalho! Que lindo que é ver tal imagem! Ainda que para os agricultores não seja nada bom, pois os espantalhos não servem para mais que espantar aves e outros animais atrevidos que ao sentir a comida ali disponível, tentam banquetear-se! É um facto que a relação animal selvagem e homem nunca foi pacífica....mas entre artimanhas de uns e outros...encontra-se um equilíbrio que é fundamental!



Subitamente tenho que parar! Cheguei a uma parte do caminho onde o ribeiro que irá desaguar no rio, corre agora mais forte! "Pois é, lembro-me...Eu costumo vir aqui mais no Verão e a água vai mais baixa! E ainda por cima as botas que trago não permitem que meta o pé na água!" Terei que voltar para trás e ir passar numa pequena ponte de cimento mais acima! Mas antes paro e olho para o lindo que é o ribeiro a correr...O som da água...das aves que por ali habitam....Uma alvéola dá o ar da sua graça e de repente.....A flecha azul passa a toda a velocidade! "PPIIUUUU".....Impossível confundir, impossível ficar indiferente ao Guarda rios e o seu vôo cortante!! Que felicidade....!!! Embora sem lente para fazer fotos, só de o ver e ouvir faz o amante da natureza ganhar o dia!! Estava ganho o dia e o passeio!!!

Passada a ponte a caminhada entra na reta final até ao ponto onde tinha pensado chegar! Não podia ir mais além desse local pois ainda tinha que regressar e ir para casa antes da hora estabelecida para estarmos em casa! Que pena....tinha vontade de mais....Mas devemos sempre dar graças pelo que vamos podendo ter, por menos que seja é sempre alguma coisa e o "alguma coisa" é bem melhor que nada....! Sabia que mais à frente ia chegar ao local pretendido mas até lá ia sorrindo ao caminho que se abria...adornado pelos cantos das aves, pelas pegadas de texugo, pelos patos que esvoaçam...Bolas, assustei-os! Aqui a presença humana não é tolerada pelos animais selvagens devido à forte pressão que lhes colocam....(caça).

Ao aproximar-me da cascata mais um magnífico festival perante mim! O sol ia penetrando no rio fazendo subir a névoa!




Tinha que descer um pouco para chegar à cascata e o terreno não é fácil, muito musgo e rocha molhada são sinónimo de perigo ainda mais porque as sapatilhas/bota que levo não são as ideais... Logo senti que teria que andar muito lentamente para poder chegar à cascata, mas tinha que arriscar! Embora não levasse o equipamento necessário, tinha que ser....tinha que fazer alguma coisa fotográfica!!! Lentamente, pé ante pé, com algumas pequenas escorregadelas lá consegui aproximar-me da cascata!


Mas valeu a pena, a cascata está lindíssima nesta altura do ano e fez-me desejar ter levado o material para fotografar!! Ainda assim tentei o máximo para fazer uma foto em condições! Após ter feito alguns registos, ali fiquei uns bons 10 minutos sentado....apenas a ouvir o barulho da água e a sentir todo aquele pulsar natural....Olhava em volta, com a esperança que aparecesse alguma fauna, alguma lontra, guarda rios, qualquer coisa....Não apareceu, mas também não faz mal, aquilo que tinha aos meus olhos era suficiente!

Era tempo de regressar! Tinha que voltar a fazer o caminho inverso e o tempo já não era muito....Um último olhar para a cascata e a promessa de brevemente voltar! Começo a fazer o caminho de volta, ouvindo novamente as aves, olhando novamente o caminho...E embora o conheça, embora ainda há pouco ali tivesse passado, parecia a primeira vez, parece sempre a primeira vez! Há sempre algo para ver, algo novo para ouvir, para cheirar...! Há sempre algo que a natureza nos dá! Com a mente mais limpa, o espírito mais calmo e as pernas mais cansadas, voltei para casa. Até termos melhores dias...Aproveitemos o que temos, seja como for! Aproveitem para fazer o que gostam, mesmo que por pouco tempo! Fiquem bem e até breve!!



150 visualizações

© 2020 all rights reserved - Go Wild / Pedro Rego Wildlife and Nature