Relatos de uma Fotografia de Trovoada!

Quem me acompanha em fotografia há algum tempo, sabe que sou fascinado por trovoadas e sempre que alguma ronda a minha zona, Bragança, tento não falhar e tento captar esta magnífica e algo perigosa manifestação da Natureza. Não sou um amante de tempestades somente pelo facto de por vezes elas deixarem um rasto de destruição que se traduz em grandes prejuízos para os agricultores, mas sinto um fascínio enorme por elas!


Hoje falhei, estava desatento e não vi uma série de trovoadas a aproximarem-se! Saí de casa a correr procurando um bom local. Ao chegar ao primeiro local, vejo que estava longe para uma delas e outra estava praticamente sobre a minha cabeça. A chuva começava a cair...Depois de algumas tentativas vi que não era a melhor opção e tentei mudar de lugar procurando antecipar o movimento da trovoada. Fui para uma zona alta da cidade de Bragança de seu nome "Alto de S. Bartolomeu". Evito sempre ir para essa zona à noite pois é comum estarem viaturas paradas nos locais melhores para fotografar...Mesmo sendo uma zona bem isolada encontro sempre carros parados. E não gosto porque nunca sei quem está lá dentro, ou o que está a fazer. Podem apenas ser pessoas a observar a trovoada, podem ser casalinhos de namorados a fazer coisas que obviamente não quer interromper, ou mais grave...podem ser marginais a consumir droga ou a passá-la como por vezes desconfio. Para variar, a movimentação estava "alta" nessa zona. Ainda tentei ir para um sítio mais recatado, mas daquele lugar não conseguia ver nada. Saí de lá e tentei um miradouro perto da cidade onde as minhas hipóteses poderiam subir muito! Tinha uma tempestade em frente a mim, algo longe mas em frente a mim. Passados uns disparos, passa um volksvwagen vermelho com visível degradação e dentro dois homens de etnia cigana. Ao passar olharam e pararam fazendo marcha-atrás tentando cortar a frente da carrinha. O movimento pareceu-me suspeito demais. Não esperei para descobrir, atirei com a maquina para dentro do carro e corri para dentro do carro e saí dali para fora. Fiz marcha atrás e ao fazer eles dão meia volta. ao darem a meia volta saí em frente e não olhei para trás. Fartei-me. Fui para casa, algo molhado, sem fotos de jeito e frustrado. Seriam por volta das 23h. Aproveitei para ir fazendo outras coisas mas entretanto oiço um trovão...As trovoadas tinham voltado e estavam ativas. Eram as 00h40! Quem se lembraria de sair de casa a essa hora para ir em busca de relâmpagos?










Saí....fui surpreendido com 4 frentes todas ativas. Mas tinha problemas. Uma estava mesmo em cima de mim, vinda da Serra de Nogueira, mas sem raios a mostrarem-se, apenas clarões...outra estava mt ativa mas mt longe, outra conseguia ver a potencial dela, mas estava tapada por montes e não conseguia captar os relâmpagos....Tudo estava a encaminhar-se para mais um falhanço....





Sempre que me tentava aproximar, trocavam-me as voltas e os raios não apareciam...Estava a ficar algo desanimado e entretanto uma das frentes aproximou-se trazendo uma valente enxurrada. Abriguei-me no carro e tive que esperar que passasse. Ao esperar , verifiquei que uma trovoada tinha-se deslocado bastante e estava a ganhar força! Eram 2h00 da manhã. Como se estava a deslocar para um sítio que me deu esperanças de boas fotos fui atrás dela e posicionei-me de forma a apanhá-la com o melhor enquadramento possível, o Castelo de Bragança! Já é a segunda vez que capto este tipo de imagens e por não ser fácil, fico sempre feliz. Apanhei uma valente molha e fui para casa às 4h40 da manhã. Sequei o cabelo e fui dormir pelas 5h00 para ter que acordar às 9h00....foi duro, mas fiquei satisfeito com os resultados que vos deixo aqui:










827 visualizações

© 2020 all rights reserved - Go Wild / Pedro Rego Wildlife and Nature